terça-feira, 3 de novembro de 2015

TEXTOS DE APUCARANA


sabia que seria assim

o peso da solidão

a falta do teu corpo

 

sabia que seria assim em algumas noites

a falta maior de tudo

 

Nessa hora tudo tem uma dimensão maior
e eu nem sabia assim

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

TEXTOS DE APUCARANA


Faça da solidão sua companheira.

Hoje estou mais acompanhado de mim mesmo

sábado, 18 de julho de 2015

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015


Andei pouco pelo Brasil, mas mesmo assim o pouco andado, deu para perceber que cinco séculos depois do descobrimento, ainda não existe um país de “unidade nacional”, salvo a língua dita português entendida por todos, embora com particularidades regionais germinando outra língua com raiz comum do latim. No sentido cultural e muito menos social, essa país não chegou a sua maturidade como nação. Não seja esse o motivo de pecado do seu povo que tem se esforçado para isso, mas por culpa única e exclusivamente daqueles que vem exercendo o direito de governar. E não é isso uma epidemia governamental da república. O endossamento de interesses particulares permeia o alto poder desde os tempos coloniais. Cargos públicos ainda hoje são repassados como se fosse um direito hereditário e não, o exercício da vontade do povo. No pouco que andei esse país, posso dizer que conheci muitos brasis, na sua cultura, na formação social e no apelo de continuar existindo. Tal clamor muitas vezes não é ouvido, não porque seja um grito tímido, mas, porque aqueles que deveriam escutar muitas vezes se fazem de surdo à agonia de sua gente. O pouco que andei me deu a certeza de continuar lutando como fizeram os bravos e destemidos de Guararapes na tentativa de criar uma nação.

sábado, 3 de janeiro de 2015

O roteiro do poeta é acender de luz a ilusão
Que outras medidas tenho para compreender o mundo?
Minha mão espera a vibração da caneta seguir sua trilha
Quem sabe o poema só me tenha-corpo para sua manifestação?