quinta-feira, 23 de abril de 2009

LAVANDEIRAS


as mulheres desmanchavam as mãos
na pele áspera do sabão
a espuma ia na correnteza

apenas o cheiro das axilas permanecia
na floração do alvo trabalho

segunda-feira, 20 de abril de 2009

segunda-feira, 13 de abril de 2009

RELÂMPAGO


foi um susto
e a luz se dissolveu

um rápido clarão nos olhos
como uma bofetada

feito um poema
apenas iluminou o dia
com seu enigma

quinta-feira, 9 de abril de 2009

NA INFÂNCIA


na infância
o dia era feito de outra matéria
nascia de dentro dos frutos
explodindo seu cheiro

se desprendia das árvores
feito uma parte móvel da manhã

quarta-feira, 8 de abril de 2009

DEVOÇÃO

era preferível
não ter beijado teus dentes
a memória
ainda tentou esquecer
teu rosto

hoje só te olho
com o mesmo olho
com que o peixe olha a ísca

terça-feira, 7 de abril de 2009

SAGRADO

Tudo tem osso
alma
recheio
caroço

segunda-feira, 6 de abril de 2009

PSIU

o silêncio só se escuta
quando tudo se cala

quinta-feira, 2 de abril de 2009

POEMA

mesmo que ali eu não estivesse
ele teria pousado com seu enigma
e depois alçado vôo
na sua possibilidade de pássaro
confundindo a mobilidade da paisagem

a estranheza era meu corpo pousado ali
numa aflição
prestes a quebrar a harmonia no jardim